BaresNEW LINEVídeo

Ir para um bar ao fim da tarde com os amigos beber um copo acompanhado de petiscos e apenas…divertir-se! Não é uma boa ideia depois de um dia cheio de trabalho? A cerveja artesanal está a conquistar Lisboa e a Lisboa Ride te mostra uma destas experiências.

Cervejeiras não faltam em Lisboa, isso nós sabemos! Mas uma boa cerveja artesanal, uma cerveja encorpada e com sabor diferenciado, ah… isso não se encontra em qualquer sítio.

Mas a Lisboa Ride conseguiu este feito! Levámos dois convidados que entendem do assunto para viver uma experiência na cervejeira Sacarrabos que abriu as portas de um espaço muito cool. Fica no Cais do Sodré e é um convite para uma imersão em sabores surpreendentes.

O Miguel, um dos membros do The B Blog e o Bernardo, do blog Gravata Sem Regras aceitaram o desafio de beber e petiscar. Muito difícil, não é?

As cervejas servidas foram perfeitamente combinadas com pratos muito apetitosos. O resultado? Não pode ser descrito em palavras…por isso veja o vídeo que fizemos para si!

É preciso viver a experiência

Pois é…eles não tiveram dúvidas! Começara por uma cerveja mais suave até chegar aos sabores mais intensos é o que garante o sucesso desta experiência. E tudo isto aliado a uma boa escolha de petiscos…só podia ser algo excelente!

vídeo @christianabernardes

Nenhum dos dois nos soube dizer qual o sabor que mais gostou. “A combinação com os pratos é o que faz toda a diferença”, diz o Bernardo. 

Para o Miguel, começar com a “cerveja de iniciação” é importante. “A experiência vale tudo, por mais que a gente fale. Só mesmo vivendo a experiência”. 

De Sines para Lisboa 

A cervejeira Sacarrabos tem uma história muito interessante. Nasceu na cozinha da casa da Paula e do Carlos. Ela, brasileira, quando chegou cá a Portugal há alguns anos, sentiu falta de beber uma boa cerveja artesanal. Não as encontrava nos supermercados de Sines (a 160km de Lisboa) onde o casal vive. Então surgiu a ideia: por que não fazer a nossa própria cerveja? 

Carlos, português de Sines, fez um curso no Porto e voltou de lá já com os equipamentos para fazer a produção em casa.
E, numa localidade com pouco mais de 14 mil habitantes, os vizinhos ficaram logo a saber da novidade e pediram para comprar. O casal viu então, uma oportunidade de negócio. Em 2016 nasceu a Sacarrabos. Este nome engraçado é uma homenagem a este animal típico do Alentejo, perspicaz e muito inteligente. 

Na cozinha de casa 

A Paula e o Carlos disseram-nos que o mercado da cerveja artesanal ainda era muito desconhecido quando decidiram começar. Mas, ainda assim, resolveram avançar. E antes de se mudarem para uma fábrica, transformaram a cozinha de casa num laboratório cervejeiro. 

“Por muito tempo fizemos cerveja em casa até que a gente não tinha mais casa. O quarto do bebé era cheio de cerveja, onde quer que andasse tinha cerveja pela casa…aí não, disse chega!”, conta Paula. 

Hoje, a fábrica e o bar funcionam num único espaço, em Sines. No início, os moradores da cidade achavam que era um sítio apenas para turistas. A cerveja artesanal ainda era novidade, mas funcionou! E desde Junho desde ano a Sacarrabos chegou à capital. A ideia era abrir em Março, mas por causa da pandemia a inauguração foi adiada. 

Os sabores das torneiras 

A marca inspirou-se nas escolas clássicas belga, alemã e americana. A linha fixa tem seis cervejas de estilos diferentes entre as quais estão as: stout, IPA, weiss, lager e dark strong ale. Mas também jorram das torneiras as cervejas especiais. São sabores sazonais ou receitas que estão a ser testadas e só continuam dependendo do sucesso entre os clientes.

A dica da Lisboa Ride é fazer como o Miguel do The B Blog e o Bernardo do Gravata Sem Regras: deixe-se levar. Para além do sucesso que são os sabores das cervejas, fica ainda melhor com a combinação dos petiscos sugeridos pelo sommelier

Que tal fazer essa imersão no mundo das cervejas artesanais? A Lisboa Ride leva-te. Experimente!

Siga-nos nas redes sociais!

Similar Posts

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *